Como é trabalhar com Git - parte 1

Essa é uma história fictícia para demonstrar como é o dia dia de quem utiliza o Git

Essa é uma história fictícia para demonstrar como é o dia dia de quem utiliza o Git.

O fluxo de trabalho é o mais simples, a equipe é pequena, todos possuem permissão de leitura e escrita no repositório central.

Trabalhar com o Git é ter o terminal sempre por perto, abro o terminal e vou até minha pasta de projeto.

A primeira coisa que me pergunto é "será que estou no branch correto para trabalhar?".

git status

Após executar git status e descubro qual branch está ativo, é o issue53. OK, ainda trabalho no mesmo branch do dia anterior.

Segundo o tradutor do Google, issue é um substativo que pode significar: questão, edição, entrega, produção em dado momento.

Essa última é "matadora" produção em dado momento, perfeito!

Não fui eu quem criou a issue, então questionei meu colega do porquê do nome, ele me disse que prefere identificar suas issues pelo id. Se eu abrir o projeto no GitHub e procurar na seção "issues", encontrarei a referida issue além de informações detalhadas sobre o que se trata. O mais legal é dá para fazer comentários como se fosse um post e, dessa forma, manter uma documentação muita rica sobre o processo.

Continuando meu trabalho, o comando git status não apenas me indica em qual branch estou trabalhando mas também trás informações sobre minha árvore de trabalho, os arquivos propriamente dito. Ele me diz o que está selecionado para ser "comitado". Já haviam 2 arquivos selecionados, mas faltava selecionar o terceiro arquivo.

git add arquivo3

O git add é assim, ele seleciona arquivos e pastas para serem monitorados pelo Git, mas eles (os arquivos e minhas alterações) somente entrarão para a o histórico (uma linha do tempo) após eu efetuar o "commit".

Cada commit é realizado localmente, quer dizer, ninguém saberá sobre minhas alterações até que eu as publique no repositório remoto. Esse é um dos pontos fortes sobre o Git que a comunidade adora destacar. Lá vou eu realizar um commit.

git commit -m "minha mensagem"`

Quando eu comecei no Git, meus commits eram grandes, haviam muita coisa neles. Depois, fui aprendendo que menor é melhor, o menor commit possível é uma única linha em um único arquivo. Acredite, isso é muito bom, mas nem sempre precisa ser assim. Veja repositórios de outras pessoas para saber como elas separam seus próprios commits.

O ciclo se repetiu ao longo daquela manhã, desenvolvia em passos pequenos, adicionava e "comitava" na mesma medida. A sequência de comandos abaixo...

git add .
git commit -m "mensagem do commit"

... rapidamente torna-se algo trivial.

Certo tempo depois, meu trabalho estava completo, porém meu colega trabalhava mo mesmo branch e eu achei melhor atualizar o meu branch com as alterações que ele já havia publicado.

git pull origin issue53

Pull é de puxar e origin é o apelido em minha máquina que aponta para nosso repositório remoto. O comando poderia ser traduzido da seguinte forma: puxe do repositório chamado origin as alterações da issue53. Pronto, meu repositório local agora continha minhas alterações mais as alterações do meu colega. Após realizar os testes (ohhh o mundo podia ser perfeito!) eu resolvi publicar minhas alterações para que meu colega também pudesse ver o meu trabalho.

git push origin issue53

Este é o inverso do comando anterior, ele diz: empurre minhas alterações para o repositório origin no branch denominado issue53.

Com o tempo, os comandos git pull e git push, também se tonaram corriqueiros, primeiro eu atualizo localmente puxando (pull) as informações, depois eu empurro (push) minhas alterações para o repositório remoto.

Agora era só fazer um merge com o branch principal (master). Fizemos isso na intercafe do GitHub, pois lá fica registrado cada pull request. Na aba "Pull requests" há um botão verde chamado "New pull request". Localmente, na minha máquina, se meu branch atual fosse o master, seria o mesmo que fazer git merge issue53, traduzindo atualize o branch master com as novidades do brach issue53.

Não precisávamos mais do branch issue53, então deletei ele na minha máquina.

git branch -d issue53

Mas também preciso deletar ele do repositório remoto.

git push origin :issue53

Estranho esse comando? Também acho, mas para decorá-lo é fácil, mentalmente, troque o sinal : por del.

Revendo os comandos

Qual é o status de seu branch?

git status                       // para mostrar o status do repositório

Ao desenvolver, nós adicionamos e "comitamos":

git add .                        // selecionar arquivos para, posteriormente, serem comitados
git commit -m "mensagem"         // comitar arquivos selecionados

Para disponibilizar nossas alterações e também atualizar nosso branch:

git pull origin nome-do-branch   // puxar alterações do repositório remoto
git push origin nome-do-branch   // empurrar alterações para o repositório remoto

Para deletar branchs locais e remotos:

git branch -d nome-do-branch     // deletar branch local
git push origin :nome-do-branch  // deletar branch remoto

Continuação

Lei o artigo seguinte Como é trabalhar com Git - parte 2

Comentários

comments powered by Disqus