A5 Cross-Site Request Forgery (CSRF)

Artigo sobre a vulnerabilidade CSRF (Cross Site Request Forgery), quinto item da lista TOP 10 da WOASP

O Cross Request Forgey(CSRF) ocorre quando um atacante consegue forjar um pedido HTTP tornando indistinguível do pedido original. Normalmente combina a utilização de cookies de sessão e engenharia social. Aproveita, principalmente, de aplicações que confiam excessivamente em credenciais de acesso geradas automaticamente. Esta vulnerabilidade normalmente está associada ao uso de cookies de sessão, mas também podem ocorrer com a utilização de, por exemplo, endereço IP de origem, certificados SSL (o SSL somente provê a confidencialidade e a integridade dos dados trafegados), credenciais de autenticação básicas e até mesmo credenciais de um domínio Windows.

A prevalência é considerada generalizada pois o CSRF explora aplicações web que permitem aos atacantes prever todos os detalhes de determinada ação. A detecção é considerada fácil por ser razoavelmente fácil detectar através de teste de penetração ou através de análise de código. A tabela abaixo sintetiza a classificação do risco.

Mapeamento de risco CSRF - Cross Site Request Forgery

Esta vulnerabilidade também é conhecida por outros nomes como Session Riding, Ataques On-Click, Cross Site Reference Forgey, Hostile Linking e Automation Attack. O acrônimo XSRF também é comumente utilizado. Tanto a OWASP quanto o MITRE padronizaram o uso do termo Cross Site Request Forgey(CSRF).

Exemplo de aplicação vulnerável

Uma transferência bancaria é efetuada pelo scritp php denominado transferirFundos.php. Esse script está armazenado no seguinte local: http://wwww.aplivacaovulneravel.com.br/app/ e aceita como entrada duas variáveis (montante e contaDestino) que são enviadas pelo formulário web através do método get. O objetivo do script é transferir, da conta corrente da vítima que está logada no sistema) o valor da variável montante para a conta registrada na variável contaDestino. A código HTML abaixo ilustra o formulário original que envia os dados para o script encarregado de aplicar a ação. Note que o formulário utiliza-se do método get o que facilita a exploração do CSRF e, note também a ausência de um identificador único e imprevisível.

<form action="transferirFundos.php" method="GET" name="frm">
    <label for="montante">Digite o valor que deseja transferir:</label>
    <input type="text" name="montante" id="montante"/>

    <label for="contaDestino">Digite o o número da conta para transferência:</label>
    <input type="text" name="contaDestino" id="contaDestino"/>

    <input type="submit" value="Efetuar operação" />
</form>

O código seguinte é responsável por receber os dados vindo do formulário e por efetuar a operação de transação entre as contas. A vulnerabilidade encontra-se na linha 2 que confia apenas no cookie de identificação, ou seja, estando o usuário logado a requisição poderá vir de qualquer parte e ser executada como uma requisição autêntica. A linha 2 recupera, através do array $_COOKIE o cookie denominado cliente_autenticado. É utilizado a função isset() que checa se uma variável foi inicializada retornando true em caso positivo e false em caso negativo. Ainda na linha 2, se o retorno da função isset() for true o código que efetua a transação é executado. As linhas 3 e 4 são hipotéticas e por esta razão estão comentadas (não surtem efeito algum), elas apenas ilustram como seria a operação de transação entre contas.

1  
2 <?php
3 if(  isset($_COOKIE['cliente_autenticado'])  ){
4     echo "";
5     # debitar $montante da conta corrente do usuário autenticado
6     # creditar $montante na conta corrente de número $contaDestino
7 }
8 ?>

O atacante, conhecendo os detalhes da aplicação, poderia modificar e enviar a url no corpo de um e-mail para uma vítima. O código abaixo demonstra como a url pode ser alterada para executar a operação indevida.

http://www.aplicacaovulneravel.com.br/app/trasnferirFundos.php?montante=1500&contaDestino=4673243243

O atacante insere o conteúdo malicioso em uma tag img conhecida como imagem de byte zero, veja código 5.4. Sendo a tag de imagem incluída no e-mail, a vítima verá apenas uma pequena caixa que indica que o navegador não pôde processar a imagem. No entanto, o navegador continua a enviar a solicitação para seu destino (www.aplicacaovulneravel.com.br). Dessa forma o código é camuflado e não há qualquer indicação visual de que a transferência tenha ocorrido.

<img src="http://www.aplicacaovulneravel.com.br/app/trasnferirFundos.php?montante=1500&contaDestino=4673243243"  />

Prevenção

A primeira forma de se prevenir contra XRSF é através de Tokens de validação, trata-se da inclusão de um token que não seja transmitido via URL(método get) de modo que este não seja "adivinhado" pelo atacante nem registrado pelo navegador. Ele pode ser inserido em um campo hidden, como demonstra o código abaixo. A linha 2 utiliza-se da função getCSFRToken() para gerar o token que é armazenado na variável $token. A linha 3 atribui o valor de $token em uma session denominada csrfToken. Essa session será utilizada pelo script seguinte. Entre a linha 5 e linha 16 é renderizado o formulário. Um campo do tipo hidden (invisível apenas no layout da página HTML) armazenará o valor do token que por sua vez será submetido com os demais dados do formulário.

 1  
 2 <?php
 3 $token = $ESAPI->httpUtilities()->getCSRFToken();
 4 $_SESSION['csrfToken'] = $token;
 5 ?>
 6 <form action="transferirFundos.php" method="POST" name="frm">
 7 
 8     <label for="montante">Digite o valor que deseja transferir:</label>
 9     <input type="text" name="montante" id="montante"/>
10     
11     <label for="contaDestino">Digite o o número da conta para transferência:</label>
12     <input type="text" name="contaDestino" id="contaDestino"/>
13 
14     <input type="hidden" name="csrfToken" value="<?php echo $token?>" />
15     
16     <input type="submit" value="Efetuar operação" />
17 </form>

Caso a submissão dos dados tenha que ser feita via método get é possível utilizar-se, então, de função ESAPI.httpUtilities().addCSRFToken() da seguinte forma:

<?php
$url = $ESAPI->httpUtilities()->addCSRFToken("http://www.site.br/action?param1=1"); 

Do lado do servidor, o script transferirFundos.php, também deve ser corrigido. A linha 2 confere se o token enviado pelo formulário é o mesmo que o gerado anteriormente. Em caso positivo a execução pode seguir normalmente. Em caso negativo é recomendado que grave-se um log, o token deve ser reinicializado e a solicitação deve ser abortada.

<?php 
if (  $_SESSION["csrfToken "] == $_POST["csrfToken"]  ){
    if(  isset($_COOKIE['cliente_autenticado'])  ){
        # debitar $montante da conta corrente do usuário autenticado
        # creditar $montante na conta corrente de número $contaDestino
    }
} else {
    # evento deve ser registrado como ataque CSRF potencial em andamento
    # o token deve ser reinicializado
    # solicitação deve ser abortada
}
?>

Comentários

comments powered by Disqus