A9 Insufficient Transport Layer Protection

Artigo sobre a vulnerabilidade Insuficiente Proteção da Camada de Trasporte, nono item da lista TOP 10 da WOASP

Esta vulnerabilidade está mais relacionada com as configurações do servidor no qual a aplicação web está instalada do que com a aplicação em si. Servidores Web que não protegem o tráfego de rede são suscetíveis a esta vulnerabilidade. Servidores que utilizam o protocolo SSL (Secure Sockets Layer) ou o protocolo TLS (Transport Layer Security) em partes específicas, como a autenticação, e não o utilizam para as demais partes também estão, igualmente, vulneráveis. Eles expõem dados sensíveis e identificadores de sessão à interceptação. Servidores com certificados mal configurados também estão vulneráveis.

Monitoramento do tráfego da rede é realizada através de um sniffer (ferramenta que é capaz de interceptar e registrar o tráfego da rede), o que facilita a sucesso no ataque, porém a exploração é considerada como sendo de nível difícil. A dificuldade reside em monitorar o tráfego no exato momento em que os usuários acessam o sistema web. O impacto técnico é considerado moderado, esta vulnerabilidade pode facilitar ataques de phishing e originar roubos de contas de acesso. Se uma conta de administrador for comprometida toda aplicação estará exposta. A tabela abaixo sintetiza a classificação do risco:

Mapeamento de risco Insuficiente Proteção da Camada de Trasporte

Para detectar as falhas basta monitorar o tráfego de rede da aplicação. Falhas mais sutis requerem inspeção da arquitetura da aplicação e da configuração do servidor. Ferramentas automatizadas, comumente, localizam muitas falhas relacionadas ao protocolo SSL mas dificilmente localizarão falhas nas conexões de back-end. Abordagem manual também pode localizar falhas relacionadas ao protocolo SSL na interface, entretanto as ferramentas automatizadas são mais eficientes. Para localizar falha nas conexões de back-end a abordagem manual é a mais indicada. (OWASP Top 10; 2010)

Exemplo de aplicação vulnerável

A aplicação web não utiliza o protocolo SSL em nenhuma das suas páginas. O atacante monitora o tráfego de rede, como por exemplo, uma rede sem fios aberta ou a rede de cabo do seus vizinho, e observa o cookie de sessão de uma vítima autenticada. O atacante utiliza a informação deste cookie e rouba a sessão do utilizador legítimo.

Outro exemplo de aplicação vulnerável é quando o sistema possui um certificado digital mal configurado que causa avisos de alerta no navegador do usuário, conforme nos mostra a figura 04. Os usuários, tendo que aceitar os avisos para poderem continuar o fluxo da aplicação, acabam por se habituarem a tais avisos. Ataques do tipo phishing à aplicação poderão enganar os usuários a acessar um servidor semelhante, que não possui certificado, construindo avisos de alerta semelhantes. A vítima, estando acostumada com o alerta, procederá normalmente fornecendo senhas ou outros dados privados utilizando, por fim, um servidor malicioso.

Prevenção

A prevenção primaria referente a camada de transporte poderá ser feita através das recomendações do OWASP Top 10 (2010):

<?php
setcookie("nome_do_cookie", $valor, $tempo_experiar, $dominio, true);

Comentários

comments powered by Disqus