Importando módulos no Python (imports)

Artigo que esclarece o funcionamento do comando imports da linguagem Python

Este artigo é mais um passo (longe de ser o último) no sentido de esclarecer como podemos importar módulos na linguagem Python. Veremos como importar um módulo em sua totalidade e parcialmente, além de ilustrar que também podemos fazer isso com simples scripts Python, uma vez que um script Python na verdade é (também) um módulo.

Quem inicia seus estudos em Python estará mais preocupado com o funcionamento do imports do que com o conceito de módulos e pacotes, porém alerto para o fato de que também é importante saber, talvez em um segundo momento, os conceitos de módulos e pacotes.

import package

Para importar um módulo utilizamos o import.

import math
print(math.sqrt(25))

O código acima importará todos os módulos de math, para importar apenas o necessário utilizamos from.

from package import item

O código abaixo importará o módulo sqrt do pacote math.

from math import sqrt
print(sqrt(25))

Observe que ao utilizar from package import item, o item pode ser um subpacote, submódulo, classe, função ou variável.

O comando import primeiro testa se o item está definido no pacote, senão assume que é um módulo e tenta carregá-lo. Se falhar em encontrar o módulo uma exceção ImportError é lançada (documentação Python).

from package import *

No terminal, para diminuir a digitação, costuma-se importar todas as funções de math dessa forma:

from math import *

Em geral, a prática do import * de um módulo ou pacote é desaprovada, uma vez que muitas vezes dificulta a leitura do código. O uso no terminal, com dito, é muito comum.

import item.subitem.subsubitem

Em uma construção como import item.subitem.subsubitem, cada item, com exceção do último, deve ser um pacote. O último pode ser também um pacote ou módulo, mas nunca uma classe, função ou variável contida em um módulo.

Serve também para seus arquivos

Ao nos deparamos pela primeira vez com o comando import, a impressão que temos é que ele funciona apenas para os módulos embutidos da linguagem Python, mas não é bem assim, veja o que a documentação diz "Quando um módulo chamado math é importado, o interpretador procura um módulo embutido com este nome. Se não existe, procura um arquivo chamado math.py em uma lista de diretórios incluídos na variável sys.path."

Sem entrar em detalhes da variável sys.path e da variável de ambiente PYTHONPATH, irei mostrar um exemplo do framework Flask, temos dois arquivos myapp.py e wsgi.py:

#
# Conteudo do arquivo `myapp.py`
#
from flask import Flask
app = Flask(__name__)

@app.route("/")
def hello():
    return "Hello World!"

if __name__ == "__main__":
    app.run()
#
# Conteudo do arquivo `wsgi.py`
#
import sys

sys.path.insert(0, "/projetos/flask-test")

from myapp import app as application

Neste momento, esqueça o funcionamento dos scripts, foque sua atenção para a última linha do arquivo wsgi.py:

from myapp import app as application

Ela está dizendo "do arquivo myapp.py importe a variável app com o apelido application".

A tabela de símbolos e a função dir()

Em qualquer um dos casos visto acima podemos lançar mão da função dir() para descobrirmos o que exatamente foi importado para o seu script.

A função embutida dir() é usada para se descobrir quais nomes são definidos por um módulo, ela devolve a tabela de símbolos (uma lista ordenada de strings).

Uma tabela de símbolos é um dicionário de dados que cada módulo possui, onde são armazenadas todas as variáveis, funções e classes definidas neste módulo.

Como exemplo, no terminal, temos...

$ python3
>>> dir()
['__builtins__', '__doc__', '__name__', '__package__']

Leia também

Talvez agora você queira dar uma olhada no seguinte artigo:

Comentários

comments powered by Disqus